Os preços das ações mudam todos os dias como resultado das forças do mercado. Com isto queremos dizer que os preços das ações mudam devido à oferta e à procura. Se mais pessoas querem comprar uma ação (procura) do que vendê-la (oferta), então o preço sobe. Por outro lado, se mais pessoas querem vender uma ação em vez de comprar, haverá mais oferta do que procura e o preço cai.

Compreender a oferta e a procura é fácil. O que é difícil de compreender é o que leva uma pessoa a gostar de uma determinada ação em detrimento de outra. Isso se resume a perceber que notícias são positivas ou negativas para uma empresa. São diversas as respostas a esta questão e cada investidor tem as suas próprias ideias e estratégias.

Dito isto, a principal teoria é que o movimento do preço de uma ação indica o que os investidores sentem quanto ao valor da empresa. Não equipare o valor de uma empresa ao preço das ações. O valor de uma empresa é a sua capitalização de mercado, que corresponde ao preço das ações multiplicado pelo número de ações em circulação.

Uma empresa cujas ações são negociadas a 100 dólares por ação, por exemplo, e que tenha 1 milhão de ações em circulação tem um valor inferior a uma empresa cujas ações são negociadas a 50 dólares e que tenha 5 milhões de ações em circulação (100 dólares x 1 milhão = 100 milhões enquanto 50 dólares x 5 milhões = 250 milhões de dólares).

Para complicar ainda mais as coisas, o preço de uma ação não reflete apenas o atual valor da empresa. Reflete, também, o crescimento que os investidores esperam no futuro.

O fator mais importante que afeta o valor de uma empresa são os seus lucros. Os ganhos são o lucro que a empresa alcança e, no longo prazo, nenhuma empresa pode sobreviver sem eles. Faz sentido quando pensa sobre isso. Se uma empresa nunca fizer dinheiro, não irá durar. As empresas cotadas em bolsa são obrigadas a relatar os seus ganhos quatro vezes ao ano (uma vez a cada trimestre).

Wall Street acompanha com atenção esses momentos, conhecidos como temporada de resultados. A razão por detrás é que os analistas baseiam o valor futuro de uma empresa na sua projeção de ganhos. Se os resultados de uma empresa surpreenderem (se forem melhores do que o esperado) o preço salta. Se os resultados forem uma deceção (se forem piores do que o esperado) então o preço entra em queda.

É claro que não são apenas os ganhos que mudam o sentimento em relação a uma ação (que, por sua vez, muda em termos de preço). Seria um mundo bastante simples se fosse esse o caso! Durante a bolha dotcom, por exemplo, dezenas de empresas da internet subiram para capitalizações de mercado de mil milhões de dólares sem nunca terem alcançado o menor lucro. Como se sabe, essas valorizações não se mantiveram, e a maioria dessas empresas viu o seu valor encolher para uma fração do valor mais elevado que tinham alcançado.

Ainda assim, o facto dos preços terem se movido tanto demonstra que há fatores, além dos atuais ganhos, que influenciam as ações. Os investidores desenvolveram literalmente centenas dessas variáveis, rácios e indicadores. Já poderá ter ouvido falar em algumas, como rácio preço/lucro, enquanto outras são extremamente complicadas – com nomes como oscilador Chaikin.

Mas então, por que é que os preços das ações mudam? A melhor resposta é que ninguém sabe, realmente, com certeza. Alguns acreditam que não é possível prever como os preços das ações irão mudar, enquanto outros acham que ao desenhar gráficos e observar movimentos dos preços no passado é possível determinar quando comprar e vender. A única coisa que sabemos é que as ações são voláteis e podem mudar de preço extremamente depressa.

Segue-se o que deve compreender sobre este assunto:

  1. Ao nível mais fundamental, a oferta e a procura no mercado determinam o preço das ações.
  2. O preço x número de ações em circulação (capitalização de mercado) corresponde ao valor da empresa. Não faz sentido comparar apenas o preço das ações de duas empresas.
  3. Teoricamente, são os ganhos que afetam a avaliação de uma empresa pelos investidores mas há outros indicadores que os investidores usam para prever o preço das ações. Lembre-se: são os sentimentos, atitudes e expectativas dos investidores que em última análise afetam os preços das ações.
  4. Há muitas teorias que procuram explicar a forma como os preços das ações se movem. Não existe uma única teoria que explique tudo.
Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente