As obrigações têm um conjunto de características das quais deve estar ciente. Todos esses fatores desempenham um papel na determinação do valor de uma obrigação – e na medida em que a mesma se encaixa na sua carteira de investimento.

Valor nominal

O valor nominal (também conhecido como valor principal) é a quantia que o titular irá reaver assim que a obrigação alcançar o seu prazo. Uma obrigação recém-emitida é vendida, geralmente, pelo seu valor nominal. As obrigações de empresas têm normalmente um valor nominal de 1.000 dólares mas o valor poderá ser muito superior para obrigações do governo.

O que confunde muitas pessoas é que o valor nominal não é o preço da obrigação. O preço de uma obrigação flutua ao longo do tempo em resposta a uma série de variáveis. Quando uma obrigação é negociada a um preço superior ao seu valor nominal, diz-se que está a ser vendida a prémio, obrigação a prémio (prémio de emissão). Quando uma obrigação é vendida a um preço inferior ao valor nominal, diz-se que está a ser vendida a desconto, obrigação a desconto (desconto de emissão).

Cupão (taxa de juro de cupão ou taxa de cupão)

O cupão é a quantia que o obrigacionista irá receber como pagamento de juros. Chama-se “cupão” pois por vezes existem cupões físicos associados à obrigação, que se retiram e apresentam para resgate. No entanto, era algo mais comum no passado. Hoje em dia, os registos são mantidos eletronicamente.

A maioria das obrigações paga juros a cada seis meses mas é possível que paguem mensalmente, trimestralmente ou anualmente. O cupão expressa a percentagem do valor nominal. Se uma obrigação pagar um cupão de 10% e o seu valor nominal for de 1.000 dólares, então irá pagar 100 dólares de juros por ano. Uma taxa que mantém uma percentagem fixa do valor nominal é uma obrigação de taxa fixa. Outra possibilidade é o pagamento de juros ajustável – obrigação de taxa variável. Neste caso, a taxa de juro está vinculada às taxas do mercado através de um índice.

Poderá pensar que os investidores pagam mais por um cupão mais elevado do que por um cupão mais baixo. Com tudo igual, um cupão mais baixo indica que o preço da obrigação irá flutuar mais.

Maturidade (data de vencimento)

A data de vencimento é a data, no futuro, em que o investidor será reembolsado. O período de maturidade (até à data de vencimento) pode variar de tão pouco como um dia para tanto como 30 anos (destacando-se que já foram emitidos termos para 100 anos).

Uma obrigação que vença no prazo de um ano é muito mais previsível e, assim, menos arriscada do que uma obrigação que vença em 20 anos. Assim, em geral, quanto maior o período de tempo (maturidade) até à data de vencimento, maior a taxa de juro. Além disso, uma obrigação de longo prazo irá flutuar mais do que uma obrigação de curto prazo.

Emitente

O emitente de uma obrigação é um fator importante a considerar na medida em que a sua estabilidade é a maior garantia de reembolso. O governo dos EUA, por exemplo, é muito mais seguro do que qualquer empresa. O seu risco de incumprimento (a hipótese da dívida não ser reembolsada) é extremamente baixo – tão baixo que as obrigações do governo dos EUA são conhecidas como ativos isentos de risco. A razão por detrás desta situação é que um governo será sempre capaz de proporcionar receita futura através de tributação. Uma empresa, por sua vez, precisa de continuar a gerar lucros, o que está longe de se encontrar garantido. Este risco acrescido indica que as obrigações de empresas oferecem um rendimento mais elevado para atrair investidores – o risco/retorno em ação.

O sistema de classificação (rating) de risco ajuda os investidores a determinarem o risco de crédito de uma empresa. Pense na classificação de obrigações como um relatório da classificação de crédito da empresa. As empresas mais respeitadas, que representam investimentos mais seguros, têm uma classificação superior, enquanto as empresas mais arriscadas têm uma classificação inferior. O gráfico que se segue ilustra a diferença entre as escalas de classificação das principais agências de classificação (rating) dos EUA: Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch Ratings.

Repare que se uma empresa ficar aquém de certa classificação de crédito, o seu grau muda de investimento para lixo. As obrigações de alto risco (junk bonds) são a dívida de empresas em algum tipo de dificuldade financeira. Considerando que são mais arriscadas, oferecem rendimento muito mais elevado do que qualquer outra dívida. Isso levanta um ponto importante: nem todas as obrigações são inerentemente mais seguras do que as ações. Alguns tipos de obrigações podem ser tão arriscadas, se não mais arriscadas, do que as ações.

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente