Uma opção é um contrato que dá ao comprador o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um ativo subjacente a um preço específico em, ou antes de, uma certa data. Uma opção, tal como uma ação ou obrigação, é um título. É também um contrato vinculativo com termos e propriedades estritamente definidas.

Ainda confuso? A ideia por detrás de uma opção está presente em muitas situações do quotidiano. Digamos, por exemplo, que descobre uma casa que adoraria comprar. Infelizmente, não terá o dinheiro suficiente para comprá-la nos próximos três meses. Fala com o proprietário e negoceia um acordo que lhe dá a opção de comprar a casa dentro de três meses por 200.000 dólares. O proprietário concorda mas por esta opção paga um preço de 3.000 dólares.

Agora considere duas situações teóricas que podem surgir:

  1. Descobre-se que a casa é, na realidade, o verdadeiro local de nascimento de Elvis! Como resultado, o valor de mercado da casa dispara para 1 milhão de dólares. Como o proprietário lhe vendeu a opção, está obrigado a vender-lhe a casa por 200.000 dólares. No final, você alcança um lucro de 797.000 dólares (1 milhão de dólares – 200.000 dólares – 3.000 dólares).
  2. Enquanto visita a casa descobre não só que as paredes estão repletas de amianto mas também que o fantasma de Henrique VII assombra o quarto principal. Além disso, uma família de ratos super-inteligentes construiu uma fortaleza na cave. Embora originalmente tenha pensado que tinha encontrado a casa dos seus sonhos, agora considera-a inútil. Pelo lado positivo, porque comprou uma opção, não tem qualquer obrigação de manter a compra. No entanto, perde os 3.000 dólares – o preço da opção.

Estes exemplos demonstram dois pontos muito importantes. Em primeiro lugar, quando compra uma opção, tem o direito mas não a obrigação de fazer alguma coisa. Pode deixar a data de vencimento passar e a partir desse momento a opção torna-se inútil. Se isso acontecer, perde 100% do seu investimento, ou seja, o dinheiro que utilizou para pagar a opção. Em segundo lugar, uma opção é meramente um contrato que lida com um ativo subjacente. Por esta razão, as opções têm o nome de derivados, o que significa que a opção deriva o seu valor de outra coisa. No exemplo apresentado, a casa é o ativo subjacente. Na maioria das vezes, o ativo subjacente é uma ação ou um índice.

Opções de compra e venda (calls e puts)

Existem dois tipos de opções: opção de compra (call) e opção de venda (put).

A opção de compra concede ao seu detentor o direito de comprar um ativo a um determinado preço dentro de um período específico de tempo. A opção de compra é semelhante a ter uma posição longa numa ação. Os compradores (de uma opção de compra) esperam que o preço da ação aumente substancialmente antes da opção expirar.

A opção de venda concede ao seu detentor o direito de vender um ativo a um determinado preço dentro de um período específico de tempo. A opção de venda é muito semelhante a ter uma posição curta numa ação. Os compradores (de uma opção de venda) esperam que o preço da ação caia antes da opção expirar.

Participantes nos mercados de opções

Existem quatro tipos de participantes nos mercados de opções consoante a posição que tomam:

  1. Compradores de opções de compra
  2. Vendedoras de opções de compra
  3. Compradores de opções de venda
  4. Vendedores de opções de venda

Os indivíduos que compram opções são designados por holders (titulares) e aqueles que vendem opções são designados por writers. Além disso, diz-se que os compradores têm posições longas e os vendedores posições curtas.

Segue-se uma importante distinção entre compradores e vendedores:

Os holders (titulares) de opções de compra e de venda (compradores) não são obrigados a comprar ou vender. Têm a opção de exercer os seus direitos se assim quiserem.

Os writers de opções de compra e de venda (vendedores), no entanto, são obrigados a comprar ou vender. Isto significa que um vendedor pode ser obrigado a cumprir uma promessa de compra ou venda.

Não se preocupe se isto parecer confuso – é confuso. Por essa razão vamos olhar para as opções do ponto de vista do comprador. Vender opções é mais complicado e pode ser mais arriscado. Neste ponto, é suficiente perceber que há dois lados num contrato de opções.

Jargão

Para negociar opções deve conhecer a terminologia associada ao mercado de opções.

O preço pelo qual um ativo subjacente pode ser comprado ou vendido é designado por preço de exercício (strike price). É o preço que deve ser superado (para opções de compra) ou o contrário (para opções de venda) antes de uma posição ser exercida para lucro. Deve tudo ocorrer antes da data de vencimento.

Uma opção que é negociada numa bolsa de opções como a Chicago Board Options Exchange (CBOE) é conhecida como opção listada. Estas opções têm preços de exercício e datas de vencimento fixas. Cada opção listada representa 100 ações de uma empresa (conhecidas como contrato).

Para opções de compra, diz-se que a opção está in-the-money se o preço da ação estiver acima do preço de exercício. Uma opção de venda está in-the-money quando o preço da ação se encontra abaixo do preço de exercício. O valor pelo qual a opção se encontra in-the-money é referido como valor intrínseco.

O custo total (o preço) de uma opção é o prémio. Este preço é determinado por fatores como o preço da ação, o preço de exercício, o tempo restante até à data de vencimento (valor-tempo) e a volatilidade. É complicado determinar o prémio de uma opção devido a todos estes fatores.

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente