Geralmente, as duas principais razões para a venda a descoberto prendem-se com a especulação ou a cobertura de riscos.

Especulação

Quando especula, procura flutuações no mercado para realizar rapidamente um grande lucro com um investimento de alto risco. A especulação é interpretada negativamente pois é relacionada com o jogo. No entanto, a especulação envolve uma avaliação calculada dos mercados e a assunção de riscos onde as probabilidades parecerem estar a favor. A especulação difere da cobertura de riscos pois os especuladores assumem riscos deliberadamente, enquanto os hedgers procuram mitigá-los ou reduzi-los.

Especuladores

Os especuladores podem assumir uma grande perda se utilizarem as estratégias erradas na altura errada, mas também podem ver grandes recompensas. O exemplo mais famoso é, provavelmente, o de George Soros em 1992. Arriscou 10 mil milhões de dólares em como a libra esterlina iria cair – e estava certo. Na noite seguinte, Soros alcançou mil milhões de dólares com a negociação. O seu lucro terá chegado, eventualmente, a quase 2 mil milhões de dólares.

Os especuladores podem beneficiar o mercado pois aumentam o volume de negociação, assumem riscos e contribuem para a liquidez do mercado. No entanto, grandes quantias de compras especulativas podem contribuir para uma bolha económica e/ou um crash do mercado de ações.

Cobertura de riscos

Muito poucos gestores de fundos profissionais recorrem à venda a descoberto como estratégia de investimento ativa (ao contrário de Soros). A maioria dos investidores utiliza a venda a descoberto como proteção. Isto significa que protegem posições longas com posições a descoberto.

A cobertura pode ser benéfica pois estará a assegurar a sua ação contra o risco – mas também pode sair cara e pode ocorrer um risco de base.

Restrições

A venda a descoberto é altamente regulada por autoridades competentes em todo o mundo, não apenas pela sua natureza arriscada mas também porque é propensa a manipulação por short sellers desonestos que poderão utilizar táticas antiéticas para proporcionar a queda do preço das ações. Esses esquemas de distorção e outros abusos prevalecem mais frequentemente em mercados com tendência baixista severa.

Venda a descoberto e margem

A venda a descoberto só pode ser realizada, geralmente, em contas margem – contas oferecidas pelas empresas de corretagem que permitem aos investidores contrair empréstimos para a negociação de ativos. Devido ao maior grau de risco envolvido na venda a descoberto, o short seller tem de garantir que tem o capital adequado (a margem) na sua conta para manter uma posição curta.

A venda a descoberto é o espelho da compra de ações em margem. Assim, uma vez que o short seller está a colocar menos do que o valor total dos ativos vendidos a descoberto, são cobrados juros de margem pela corretora sobre o saldo da transação.

Embora o short seller receba entrada de fundos das ações vendidas a descoberto, estes fundos não pertencem tecnicamente ao short seller na medida em que são obtidos a partir da venda de um ativo emprestado. O short seller tem, assim, de depositar uma quantia adicional na conta margem como garantia para a venda a descoberto.

Tal como as ações compradas em margem, o requisito de margem na venda a descoberto depende do preço e qualidade da ação, considerando que estes determinam o risco associado à posição curta. Assim, as ações blue-chip com preços na ordem de um dígito único, médio a elevado, têm requisitos de margem substancialmente menores do que as ações especulativas de baixa capitalização negociadas a um dígito baixo.

Um exemplo: o requisito de margem numa venda a descoberto poderá determinar que 150% do valor da venda a descoberto será detido pela conta margem quando a venda a descoberto for realizada. Sendo que 100% surgirá da venda a descoberto, o trader tem de avançar os restantes 50% como margem.

Assim, se um trader vender a descoberto 100 ações de uma ação a ser negociada a 50 dólares, este requisito de margem exige que o trader deposite uns adicionais 2.500 dólares (50% de 5.000 dólares) como margem. A margem é constantemente monitorizada pela corretora para garantir que permanece acima do nível mínimo exigido (conhecido como “manutenção da margem”) e deve ser assegurada sem demoras a temida margin call, pelo trader, se a venda a descoberto não funcionar – se a ação, em vez de cair, valorizar significativamente.

Devem ser tidos em conta os quatro pontos que se seguem quanto à venda a descoberto em contas margem:

  1. O short seller não recebe juros dos rendimentos de uma venda a descoberto.
  2. Os requisitos de manutenção de margem – que garantem que existe margem adequada para manter uma posição curta – baseiam-se no preço atual de mercado do ativo e não no preço inicial pelo qual o ativo foi vendido.
  3. Os requisitos de margem podem ser cumpridos através de fundos ou ativos elegíveis para a conta.
  4. Se o short seller for incapaz de satisfazer os requisitos de margem, a corretora normalmente fecha a posição curta ao preço de mercado em vigor, potencialmente sobrecarregando o short seller com uma grande perda.
Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente