Reunião da OPEP: 5 aspetos a acompanhar
Heinz-Peter Bader/Reuters
Página principal Análise, Petróleo, OPEP

Tudo o que precisa de saber sobre as conversações que se encontram a decorrer hoje em Viena

O que se está a passar?

Os ministros do Petróleo de países membros da OPEP iniciaram a sua reunião oficial por volta das 10 horas da manhã de hoje, em Viena – uma tentativa de assegurarem o primeiro acordo, em oito anos, ao redor do fornecimento de petróleo. As reuniões tendem a durar entre duas a oito horas mas é quase impossível prever a duração do encontro de hoje. Entretanto, os traders de petróleo estão colados aos seus computadores com milhares de milhões de dólares dependentes dos resultados.

O que é que a OPEP precisa de alcançar?

O cartel procura a conclusão de um acordo ao redor da redução da produção de petróleo: de cerca de uns recorde 33,8 milhões de barris por dia para 32,5 – 33 milhões de barris por dia, preferencialmente para a extremidade inferior desse intervalo.

É necessária redução da oferta para tentar evitar um terceiro ano com excesso de oferta nos mercados de petróleo – que levou a queda dos preços para menos de 50 dólares o barril desde meados de 2014 (de mais do dobro).

A queda dos preços tem prejudicado os orçamentos dos países membros, incluindo da Arábia Saudita – a maior exportadora de petróleo do mundo, que conduziu o grupo a uma política de produção-à-vontade há dois anos. Essa estratégia foi uma tentativa para afastar a ameaça dos produtores de xisto dos EUA em rápido crescimento.

O plano tem tido sucesso parcial. No entanto, dois anos com preços baixos deixaram o orçamento de Riade em risco – enquanto membros como a Venezuela e a Nigéria se encontram à beira do precipício.

Quais os pontos de desacordo?

A discussão ao redor da forma como a OPEP poderá distribuir a redução de produção entre os seus membros tem perdurado entre o grupo desde o acordo provisório para redução da oferta alcançado em Argel há dois meses.

O Irão, que volta à exportação depois de anos de sanções ocidentais, começou por dizer que deveria estar isento da redução – bem como as nações envolvidas em conflitos, Nigéria e Líbia. Desde então, Teerão tem vindo a suavizar a sua posição, avançando que irá congelar a sua produção. No entanto, a definição do nível tem sido problemática.

A Arábia Saudita afirmou que a sua rival deveria congelar a produção aos níveis de outubro, cerca de 3,7 milhões de barris por dia, sugerindo privadamente que poderia estar disposta a permitir 3,8 milhões de barris por dia. O Irão disse que iria limitar a sua produção assim que alcançasse os níveis pré-sanções, perto de 4 milhões de barris por dia, argumentando que todos os países impulsionaram a respetiva produção nos últimos dois anos (nomeadamente a Arábia Saudita e aliados do Golfo) devendo assumir, assim, o maior fardo ao nível de cortes.

Entretanto, o Iraque questionou os dados de “fontes secundárias” que a OPEP utiliza para avaliar a produção dos membros. Embora agora aceite o acordado, Bagdade afirmou que apenas irá limitar a sua produção até determinado nível – enquanto a Arábia Saudita acredita que deve fazer parte de quaisquer cortes para que surja como credível.

Para se alcançar o acordo, estes pontos devem ser superados. Apesar de soarem como complicados, na realidade referem-se apenas a algumas centenas de milhares de barris por dia no máximo – uma pequena fração do todo global.

E se não se alcançar um acordo?

A ausência de acordo pode desencadear outra queda acentuada dos preços do petróleo – por 2017 adentro.

As grandes empresas de petróleo, como a BP (NYSE: BP [BP]) e ExxonMobil (NYSE: Exxon Mobil Corporation [XOM]), e as mais pequenas e especializadas, como a Continental Resources (NYSE: CLR) (de exploração de xisto nos EUA) irão provavelmente enfrentar um mais longo período de petróleo a menos de 50 dólares o barril, enquanto os membros da OPEP se arriscam a cair ainda mais em recessão ou pior.

O que significará para a OPEP?

A reputação do grupo sairá prejudicada. Tem vindo a trabalhar em direção a um acordo de fornecimento ao longo de nove meses e um fracasso irá levantar questões sobre a sua credibilidade e capacidade para influenciar os mercados.

Leia também:

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente