As mais lucrativas ações de bancos em 2016
Página principal Finanças

Saiba mais sobre o crescimento do Hancock Holding Company, Chemical Financial Corporation e Cullen/Frost Bankers este ano

As ações de bancos raramente apresentam o melhor desempenho no mercado. Os melhores anos seguem, tipicamente, anos particularmente difíceis – o caso para dois dos melhores bancos de 2016.

Até agora, 2016 tem sido especialmente bom para os bancos pequenos, com um popular índice de banca regional a ter subido 22% até à data – e alguns tiveram um desempenho ainda melhor. O Hancock Holding Company (NASDAQ: HBHC), o Chemical Financial Corporation (NASDAQ: CHFC), e o Cullen/Frost Bankers (NYSE: CFR) alcançaram o máximo em 2016. O pior desempenho dos três encontra-se num aumento de 43% este ano, quase duas vezes o retorno do grupo de pares.

Segue-se uma análise das melhores ações de bancos em 2016 – e a razão pela qual estão a voar mais alto.

Banca ao longo do Golfo

O Hancock Holding Company opera cerca de 200 filiais ao longo do Golfo do México. Nos dias de florescente produção doméstica de petróleo, os banqueiros da empresa superaram os seus resultados, realizando empréstimos por toda a indústria de energia.

Os empréstimos na área da energia, que corresponderam a 13% dos seus empréstimos há dois anos, representam agora apenas 8,7% da sua carteira de empréstimos. Passou a maior parte de 2016 a criar uma reserva substancial contra perdas com empréstimos e agora carrega uma compensação que corresponde a 8,6% dos seus empréstimos de energia. Por outras palavras, poderá perder cerca de 0,09 dólares de cada dólar aplicado a empréstimos de energia, não sendo alvo de mais embates no seu balanço.

Naturalmente, a exposição direta à energia é apenas uma fatia do bolo. O Hancock Holding Company tem alguma exposição indireta à energia sob a forma de empréstimos imobiliários comerciais em Houston. Numa recente teleconferência, a gestão indicou que se sentia bem quanto às perspetivas de vir a obter reembolsos, observando alguns efeitos negativos de preços mas baixos do petróleo.

O mercado começa cada vez mais a considerar os empréstimos problemáticos de energia do Hancock como um problema do passado. Com reservas reforçadas e exposição reduzida, as ações superaram os 38 dólares, um nível não observado desde 2010, representando um ganho de cerca de 55% este ano.

Pelo estado de Michigan

O Chemical Financial Corporation opera sob os nomes Chemical Bank (não deve ser confundido com o antecessor do JPMorgan Chase) e Talmer Bank and Trust, com 255 filiais em Michigan, Ohio, e zonas circundantes. É mais competitivo em cidades menores de Michigan, incluindo Midland, Clare e Bay City, áreas onde reportou ter 67%, 43% e 29% de quota de mercado de depósitos bancários, respetivamente, antes de uma aquisição recente.

O Chemical Financial é uma empresa adquiridora. Fechou a aquisição do Talmer no terceiro trimestre, o que imediatamente levou o banco para o leste de Michigan e Ohio. Duas rivais, Huntington Bancshares e FirstMerit Corp, também se fundiram este ano – concedendo ao novo Huntington Bancshares mais filiais na mesma área geográfica.

Numa teleconferência recente, a gestão notou que espera que os custos associados à fusão estabilizem até ao segundo trimestre de 2017, o que permitirá que os ganhos fluam pelos acionistas. Uma apresentação avançou que o seu rácio de eficiência – despesas sem juros como percentagem da receita – seja tão baixo como 55% depois da integração se encontrar completa, o que é excelente para um banco regional.

Notavelmente, o seu desempenho de 2016 foi influenciado pela recuperação do banco após a vitória presidencial de Trump. O seu ganho pós-eleições de 13% supera o dos restantes da lista, que viram as suas ações aumentarem na ordem de 10%. Ao todo, as ações ganharam cerca de 47% este ano até à data.

Um titã texano

O aumento do preço das ações do Cullen/Frost Bankers foi notável, com as ações a subirem quase 100% face ao valor mais baixo em 2016 e cerca de 43% este ano até à data. Um verdadeiro banco de petróleo, o Cullen/Frost tem visto o seu preço por ação seguir o preço do petróleo este ano, para cima e para baixo.

Os negócios de energia que alimentaram o crescimento de empréstimos estão agora a tomar o banco traseiro. O Cullen/Frost relatou, recentemente, que 12% dos seus empréstimos estavam relacionados com empresas de energia, uma queda face a 15,3% em dezembro de 2015. A sua carteira de empréstimos ao mercado imobiliário comercial tem alguma exposição adicional preocupante, representando cerca de 8% do total de empréstimos.

No entanto, onde os empréstimos constituem a grande maioria dos balanços dos bancos, o Cullen/Frost Bankers é uma exceção. As suas carteiras de empréstimos e títulos têm uma dimensão aproximadamente semelhante e pode dar-se ao luxo de perdas maiores em empréstimos do que o banco protótipo. O Cullen/Frost afastou os seus principais perdedores no segundo trimestre de 2016.

No terceiro trimestre de 2016, as amortizações caíram para 0,17%, mais perto da sua taxa média de amortização em períodos de elevados preços de petróleo e crescimento económico. A gestão indicou na teleconferência do segundo trimestre que esperava que as amortizações normalizassem ao longo do resto do ano. Até agora, cumpriram.

Um recente teste de stress sugeriu que o banco está assente em base sólida. O teste concluiu que o Cullen/Frost irá continuar bem capitalizado – e rentável – numa recessão económica significativa na qual o desemprego suba para 10%, o mercado de ações caia 51% e os preços do mercado imobiliário comercial caiam 30%, entre outros pressupostos preocupantes. As reservas de empréstimos, mais elevados preços de petróleo e declínio de expectativas de amortização ajudaram as ações este ano.

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente