Todos contra todos: Donald Trump, CEO e acionistas
Mike Segar/Reuters
Página principal Finanças

Os tweets do presidente eleito dos EUA poderão forçar decisões empresariais capazes de conduzir a perdas de fundos – algo que os executivos terão dificuldade em explicar aos investidores

Quando a temporada de reuniões anuais tiver início dentro de poucos meses será interessante ver como as empresas que anunciaram planos de expansão nos EUA irão explicar as suas decisões aos investidores.

Gastar mais com menor retorno é uma forma rápida de proporcionar queda das ações. No entanto, não vivemos tempos normais. Considere a Amazon.com (NASDAQ: Amazon.com [AMZN]), por exemplo, que anunciou na semana passada planos para expandir a sua força de trabalho a nível doméstico em 55% ao longo dos próximos 18 meses. Isso representa 100.000 novos postos de trabalho a tempo inteiro.

O preço das ações da Amazon subiu 1,8% no seguimento das noticias. É surpreendente pois o que irrita os acionistas da Amazon são notícias ao redor do aumento da despesa. As ações da empresa caíram 5% em outubro, o dia após o seu relatório de resultados relativo ao terceiro trimestre ter mostrado despesa superior ao esperado – algo que a empresa indiciou que iria continuar ao longo do ano.

Irá a Amazon tornar-se a empresa mais valiosa do mundo?

As fabricantes de carros e outras empresas têm contornado a questão, concordando em manter postos de trabalho nos EUA enquanto avançam com os planos de mover algumas operações para o estrangeiro. A General Motors tem sido a mais honesta, dizendo de uma forma muito diplomática que os seus planos ao redor da despesa são definidos com anos de antecedência.

As fabricantes de automóveis surgem como uma indústria simples enquanto alvo do presidente eleito Donald Trump. Começaram como fabricantes nos EUA quando o comércio era limitado – e foram expandindo, lentamente, as suas vendas e fabrico para o exterior. Para empresas que cresceram na era da globalização – e isso inclui quase todas as empresas de tecnologia e biotecnologia mais muitas retalhistas – as cadeias globais de fornecimento e vendas fizeram sempre parte do seu trabalho desde o início. Cumprir as exigências de Trump poderá exigir uma completa reorganização corporativa.

Por agora, parece que a melhor estratégia passa por acalmar Trump e depois seguir o planeado. Os investidores irão compreender o jogo.

A Amazon.com poderá chegar a contratar 100.000 novos colaboradores para a sua vasta e crescente rede mas é improvável que correspondam todos à classe trabalhadora que Trump prometeu criar. Colin Sebastian da Robert W. Baird notou que 53% das opções da atual lista de oportunidades de trabalho da empresa correspondem a postos em tecnologia e outras 21% a postos na administração. Além disso, ao prometer contratar, a Amazon.com acarreta responsabilidade significativa pela redução de postos entre retalhistas. Trata-se, ainda, da empresa pioneira a utilizar drones para a entrega de encomendas, o que poderá eventualmente anular postos de trabalho na área das entregas.

Muito depende de como Trump irá agir quando tomar posse. Se virar tudo do avesso, as empresas poderão ter de cumprir as suas promessas. Mas aí será fácil para as empresas explicar as suas ações aos investidores, que terão a escolha de manter e aguentar – enquanto o capital é mal alocado – ou de seguir para indústrias que não se encontrem sob o olhar do presidente.

As empresas poderão citar o fundador da Alibaba (NYSE: Alibaba Group Holding [BABA]), Jack Ma, um mestre na administração de empresas sob um governo opressivo e imprevisível. “Apaixone-se mas não case”, uma citação bem conhecida na China. Depois de se ter encontrado com Trump no início do mês, Ma avançou promessas vagas de ajudar a criar um milhão de pequenas empresas nos EUA ao vender os seus produtos na China.

“Eu e Jack vamos fazer grandes coisas.” – Afirmou Trump.

Não é claro que Trump o saiba mas as suas ameaças às empresas causam uma preocupação séria na economia dos EUA. A percentagem dos lucros corporativos no PIB face à participação da força de trabalho aumentou significativamente em décadas recentes. Uma forma de aumentar o salário dos trabalhadores passa por deduzir esse aumento dos lucros.

Os tweets de Trump na pré-tomada de posse poderão não ser nada mais do que a salva inicial de uma negociação. Ou então poderá estar a pensar em partilhar a riqueza das empresas. Se o crescimento global se mantiver lento, a única forma de proporcionar mais fundos para os trabalhadores passa por cortar o bolo e distribuir as fatias de forma diferente.

Isso irá deixar os executivos das empresas entre um presidente imprevisível e acionistas exigentes. É uma situação que não se aprende nas universidades de gestão.

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente