Porque parece que vemos tantos fundadores de start-ups em todo o lado?
Página principal Estilo de Vida

Gaurav Chakravorty, cofundador da empresa de investimento qplum, explica por que parece que o mundo está cheio de fundadores de start-ups constantemente em busca da nossa atenção

Penso que mesmo os mais otimistas concordarão que nos encontramos na fase final de um boom. Tem a sua própria start-up? Então provavelmente sabe que 90% dos fundos reunidos se destinam a alcançar o público-alvo e não a trabalhar no produto.

Encontra-se, provavelmente, a tentar qualquer forma possível de dizer às pessoas: “Hey, estou a fazer esta coisa nova. Se estiver interessado envie-me um e-mail, ligue-me ou envie-me uma mensagem no WhatsApp, Facebook, ou Linkedin – sou todo ouvidos.” E as pessoas esquecem-se – logo, continua a lembrá-las. Da mesma forma, qualquer outro cofundador está a fazer o mesmo. Temos, assim, uma sobrecarga de pessoas a tentar falar aos outros do seu trabalho.

Vamos perceber por que razão parece que vemos tantos cofundadores agora.

  • O custo da publicidade (anúncios) e de canais de comércio tradicional é muito elevado. Os canais tradicionais são tudo menos acessíveis para as start-ups. Além das unicórnios desta vida, mais ninguém consegue aceder aos mesmos.
  • Está toda a gente a trabalhar bastante. Os mercados poderão ter subido 400% desde 2009 mas os nossos salários não subiram 400% :) Estamos todos a trabalhar muito mais do que antes e o custo das casas e das férias está a disparar muito mais depressa do que a nossa riqueza.
  • Uma vez que estamos a trabalhar muito mais do que antes temos ainda menos tempo para aprender coisas novas e para vermos o que podemos fazer para melhorar as nossas vidas. O tempo é, na sua maioria, passado a correr para tentar cumprir obrigações – ou passado em momentos de networking ou a construir “a marca”. Quando foi a última vez que teve tempo para pegar naquele livro de Benjamin Graham – ou naquele livro sobre aprendizagem profunda, para realmente aprender em que consiste?
  • Temos demasiadas caixas de entrada: o e-mail pessoal, o e-mail de trabalho, o Facebook, o WhatsApp, o Linkedin, o Slack (sim, é uma caixa de entrada, apenas com um aspeto diferente), e até mesmo as SMS (recebemos demasiadas agora que são praticamente gratuitas). É, sem dúvida, demais ter de verificar todas. E há pessoas que escrevem publicações no Linkedin Pulse também!
  • Tudo é DIY (do it yourself – faça você mesmo) agora. Não há curadoria. A sabedoria da multidão baseia-se em quem pode pagar mais. Que artigos são partilhados ou que start-ups os bloggers mencionam? É tudo, direta ou indiretamente, uma questão de pagamento. Quase nada é feedback fiável de um utilizador real e imparcial. Não estamos, coletivamente, a ficar mais sábios.
  • É claro que, demograficamente, nem toda a gente é um/uma cofundador/a. Na realidade, muito poucas pessoas são cofundadoras de start-ups. O número de pessoas a abandonar os seus trabalhos, a trabalhar sem salário ou sem qualquer certeza e a tentar fazer algo novo ainda é muito reduzido, provavelmente 5% – mas há pessoas a trabalhar tanto para passar a sua mensagem que parecem muito mais.
  • Já não há critérios. É tudo uma questão de incentivos. A prescrição de um medicamento em detrimento de outro baseia-se apenas numa relação custo-benefício tendo em conta todas as alternativas. Prende-se apenas com: que farmacêutica incentivou os intermediários? Mas então, quem é que está realmente a tentar descobrir o que é bom para nós? Ninguém além de nós próprios.
  • Penso que tudo isto conduz ao infeliz fundador de uma start-up que construiu um produto incrível e colocou o seu coração no mesmo – encarando agora o processo de tentar comunicá-lo. Não tem forma de levar as pessoas a perceberem o que sabe, a sentirem o que é necessário mudar.
  • Assim, pede atenção. Trata-se de um tipo de empreendedor que empresas de milhares de milhões de dólares tentam contratar. Contudo, este indivíduo não gosta da forma como os clientes são enganados – logo, cria algo grande, transparente e revolucionário. Porém, enfrenta o grande problema de chegar às pessoas.

Como vamos aprender? Como teremos tempo para novas ideais? Como vamos progredir?

Gaurav Chakravorty, cofundador da qplum

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente