Conheça a história da Uber
Reuters
Página principal Tecnologia, Uber

De simples conceito a fenómeno mundial

Há cinco anos, uma empresa chamada UberCab fez um sucesso tremendo em São Francisco ao tornar possível chamar um táxi num só click. Desde essa altura que a empresa, hoje conhecida por Uber, tem vindo a conquistar novas localizações espalhadas pelo mundo a um ritmo estonteante. A Uber funciona atualmente em 58 países e vale mais de 60 mil milhões de dólares.

Contudo, o caminho não foi fácil.

Apesar da subida constante do valor de mercado da empresa, e do número cada vez maior de potenciais investidores, a marca encontrou alguns rivais e entidades reguladoras, desde os primeiros passos enquanto serviço de táxis e até se tornar gigante logístico investido em desenvolver carros do futuro sem condutor. Enfrentou ameaças de companhias de táxi e até dos próprios motoristas.

A empresa travou uma guerra acesa com a Didi Chuxing, a sua maior concorrente neste segmento no mercado chinês. Após uma longa e dispendiosa batalha legal, a Uber China capitula agora numa mega manobra de fusão no valor de 35 mil milhões de dólares.

No momento em que a maior batalha da Uber até à data está quase no fim, vejamos retrospetivamente como é que a empresa conseguiu chegar onde chegou. Conheça a louca e bem-sucedida história da Uber e do CEO, Travis Kalanick, desde simples conceito a fenómeno mundial.

Junho de 1998: Scour, a startup de um motor de busca peer-to-peer (P2P), e a mesma que levou Kalanick a abandonar a Universidade da Califórnia em Los Angeles para se juntar à equipa, arrebata o primeiro investimento do antigo presidente da Disney, Michael Ovitz, e de Ron Burkle do grupo Yucaipa.

Outubro de 2000: A Scour declara insolvência ao abrigo do Capítulo 11 do Código de Falência norte-americano – um artigo que permite à empresa apresentar um plano de reorganização, de modo a conseguir fazer face à dívida existente – após ter sido processada por várias empresas do setor do entretenimento em cerca de 250 mil milhões de dólares.

Abril de 2007: Kalanick vende a RedSwoosh, empresa que fundara em 2001, à Akamai por 23 milhões de dólares e torna-se milionário. O próprio reconhece ter começado a RedSwoosh como “vingança” para tornar seus clientes os 33 autores do litígio contra a Scour.

Dezembro de 2008: Kalanick ouve falar pela primeira vez, na conferência de tecnologia LeWeb, da ideia da Uber – que encara como uma forma de baixar o custo do serviço de táxi usando o telemóvel.

Março de 2009: Surge a UberCab, um serviço de táxis. Garrett Camp, Oscar Salazar e Conrad Whelan são os arquitetos por detrás da primeira versão e Kalanick serve como “mega consultor”. Kalanick diz que o seu título na altura era algo como “diretor de incubação”.

Conheça a história da Uber
Гэрретт Кэмп

Janeiro de 2010: Kalanick publica no Twitter “Procuram-se 4 gestores de produto/_business_ _developers_ empreendedores e enérgicos para serviço com base na localização… Pré-lançamento, capital próprio ELEVADO, pessoal de topo envolvido – IDEIAS??”. Ryan Graves, mais tarde nomeado CEO, respondeu ao apelo.

Junho de 2010: Estreia da Uber em São Francisco. Na altura o serviço era 1,5x mais caro que um táxi mas tornava possível chamar um motorista com um simples clique ou envio de mensagem de texto. Tornou-se rapidamente um sucesso.

Outubro de 2010: A empresa fecha uma ronda de financiamento no valor de 1,25 milhões de dólares, da parte da First Round Capital de Chris Sacca, um amigo de Kalanick, e do cofundador do Napster Shawn Fanning.

Conheça a história da Uber
Shawn Fanning

Dezembro de 2010: Ryan Graves, então CEO, cede o lugar a Kalanick. Kalanick torna-se novamente o responsável pela gestão da Uber. Ambos confirmam que a mudança foi amigável.

Conheça a história da Uber
Ryan Graves e Travis Kalanick no mei

Fevereiro de 2011: A Uber consegue a primeira ronda de capital de risco no valor de 11 milhões de dólares, que avalia a empresa em 60 milhões. A Benchmark fecha o negócio e o parceiro Bill Gurley passa a integrar o conselho de administração.

Maio de 2011: Inauguração do serviço em Nova Iorque, hoje em dia um dos maiores e mais controversos mercados de atuação da empresa. A Uber foi responsável por cerca de 170 mil viagens por dia entre abril de 2015 e abril de 2016.

Dezembro de 2011: Início da expansão internacional, começando por Paris, França. Conclusão da segunda ronda de capital de risco no valor de 32 milhões de dólares pela Menlo Ventures, Jeff Bezos da Amazon e Goldman Sachs.

Julho de 2012: Apresentação ao mundo do, antes confidencial, Uber X, um serviço de baixo custo 35% mais barato que o original e que inclui carros como o Prius e o Cadillac Escalade. Kalanick declara que “a Uber é, no fundo, a combinação de _lifestyle_ e logística”.

Agosto de 2012: Lançamento da Lyft, considerada por muitos a principal concorrente da Uber, em São Francisco. Cenário pronto para a guerra de preços que se segue.

Conheça a história da Uber
John Zimmer, cofundador da Lyft

Agosto de 2013: Chegada da Uber à Índia e África. Conclusão da terceira ronda de capital de risco com um investimento de 258 milhões de dólares da parte da Google Ventures. Valor estimado da empresa: 3,76 mil milhões.

Abril de 2014: Estreia do UberRUSH, que introduz o serviço de estafeta em bicicleta em Manhattan. Preço mínimo 7 dólares – 3 dólares de base, mais 4 dólares por 1,6 km.

Julho de 2014: A Uber entra no mercado chinês depois de uma ronda de capital na ordem dos 1,2 mil milhões, e uma avaliação de 17 mil milhões em junho. Espera-se que a China se torne o maior mercado da empresa. Atualmente 5, das 10 maiores cidades Uber, são na China.

Agosto de 2014: Inauguração do UberPOOL, que permite ao utilizador partilhar o custo da viagem com alguém que faça um trajeto semelhante. Trata-se da versão Uber de boleias solidárias.

Dezembro de 2014: A marca consegue 600 milhões da parte do gigante chinês Baidu. Início da integração do serviço com os motores de busca e aplicações da Baidu. A empresa parece estar a preparar-se para enfrentar os pesos pesados da tecnologia na China.

Janeiro de 2015: Lançamento do UberCARGO em Hong Kong, expandindo o alcance da Uber a qualquer serviço de entrega e transporte. A marca diz assim “dar tratamento VIP” às coisas dos utilizadores. Mais um passo na direção do segmento de logística.

Março de 2015: Início do primeiro processo de aquisição conduzido pela empresa – a _startup_ de mapas deCarta – talvez com o intuito de mitigar a dependência do Google Maps.

Abril de 2015: Estreia do UberEATS, que entrega refeições encomendadas numa questão de minutos onde quer que esteja. Quatro cidades-piloto: Los Angeles, Barcelona, Chicago e Nova Iorque. Agora disponível em 23 mercados nos EUA.

Maio de 2015: A empresa vai buscar 40 funcionários aos corredores da Universidade Carnegie Mellon para o departamento de robótica, criado em fevereiro, para desenvolvimento de tecnologia viável para veículos sem motorista. Kalanick considerara já que “a Uber é cara porque não se está a pagar apenas pelo carro, mas pelo condutor que vem com o carro”.

Junho de 2015: Protestos violentos em França, da parte de taxistas e apoiantes, bloqueiam estradas, queimam pneus e atacam motoristas suspeitos de colaborarem com a empresa.

Junho de 2015: A Comissão para o Trabalho da Califórnia decreta que um condutor Uber é um empregado, não um trabalhador independente. O sistema de funcionamento da Uber é assim posto em causa. A decisão veio no seguimento de queixa de Barbara Ann Berwick, uma motorista de São Francisco, contra a empresa.

Setembro de 2015: A divisão chinesa da empresa investe 1,2 mil milhões de dólares para ajudar na luta pela conquista do mercado chinês. A maior rival, Didi, responde com um investimento de 3 mil milhões.

Outubro de 2015: Lançamento oficial do UberRUSH, em modo piloto desde abril de 2014.

Janeiro de 2016: A empresa alcança outros 2 mil milhões em fundos particulares para a manutenção da operação de expansão.

Fevereiro de 2016: A Uber recebe 200 milhões de dólares de investimento da parte do bilionário russo Mikhail Fridman.

Fevereiro de 2016: A empresa aceita pagar 28,5 milhões, na sequência de um processo legal conjunto em nome de 25 milhões de utilizadores, por publicidade. E deixa de poder utilizar os chavões “líder de mercado” ou “melhores na sua categoria” no que toca a verificação de antecedentes.

Maio de 2016: A Uber e a concorrente direta Lyft deixam Austin, no Texas, depois da cidade votar a favor de uma medida que implicaria a verificação de impressões digitais dos motoristas.

Ambas as empresas haviam gasto milhões de dólares na repetição da votação, tratando-se de uma perda embaraçosa para as duas partes.

Maio de 2016: Uber e Toyota assinam uma ata de entendimento mútuo para explorar a possibilidade de trabalho conjunto.

Junho de 2016: A marca recebe 3,5 mil milhões de dólares do Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita – o maior investimento alguma vez feito da parte de um único parceiro. Yasir Al Rumayyan junta-se então ao conselho de administração.

Junho de 2016: Kalanick confirma que a Uber é lucrativa em centenas de cidades a nível mundial, mas que o capital está a ser reinvestido na guerra contra a gigante Didi. A empresa perdeu cerca de mil milhões por ano desde o início da disputa com a rival na China.

Julho de 2016: Nova injeção de 1,15 mil milhões de capital, desta vez sob a forma de empréstimo da parte de um consórcio. A empresa aproveitou as taxas de juro baixas e garantiu um empréstimo destinado “ao apoio às operações e estratégia de expansão global da Uber e investimento em investigação, desenvolvimento e engenharia”.

Julho de 2016: Problemas na Hungria. A Uber foi forçada a abandonar o país depois de legislação do governo inviabilizar o seu funcionamento. A retirada veio no seguimento de meses de protesto da parte de taxistas húngaros.

Julho de 2016: A marca anuncia em meados de julho que atingiu 2 mil milhões de viagens, apenas seis meses depois de ter completado mil milhões.

Julho de 2016: Um juiz federal avança que a Uber “fez parte de conduta fraudulenta e criminal” quando utilizou a sua subsidiária de investigação para verificar os antecedentes de um queixoso durante um processo.

O queixoso acusa Kalanick de violar as leis anti-trust ao permitir que os preços da viagem aumentem quando a procura de utilizadores ultrapassa a oferta de motoristas disponíveis num dado momento.

Julho de 2016: O governo chinês torna legal chamar um táxi de improviso (_ride-hailing)_, o que dá força à continuação da guerra Uber-Didi pelo domínio no segmento. A Didi já está presente em 400 cidades espalhadas por toda a China, enquanto a Uber espera atingir 100 cidades até ao final do ano.

Yoko Wu vive em Pequim com a família e filhos. A Uber tornou-se a sua principal forma de fazer frente ao tráfego urbano e conseguir trabalhar em movimento

Julho de 2016: A dispendiosa batalha na China chega ao fim com a fusão da Didi e da Uber China, num negócio no valor de 35 mil milhões. A fusão não é mais que a rendição da Uber ao mercado chinês, o que provavelmente leva os investidores de ambas as empresas a respirar de alívio.

O que se segue: A Uber mantém-se a _startup_ mais valorizada do mundo. A empresa insiste nos projetos de expansão na Ásia e América Latina e no desenvolvimento de tecnologia para veículos sem condutor, enquanto continua a angariar milhões em investimento. Todavia, mantém-se privada – Kalanick disse pretender que a entrada na bolsa aconteça “o mais tarde possível”. No entanto, a fusão com a Didi acaba de colocar essa hipótese no horizonte.

Leia também:

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente