Blockchain: glossário de A a Z
Página principal Tutoriais, Criptomoedas, Blockchain
Tema do momento
10 Julho
9661 9k

As palavras Bitcoin, Mineração e Ethereum estão por toda a parte – e a linguagem do universo de criptomoedas não acaba aí. Se quiser entender melhor o mundo das moedas digitais o glossário que se segue é para si.

ASIC

Sigla para Application Specific Integrated Circuit ou Circuito Integrado de Aplicação Específica. Muitas vezes comparados a GPU, os ASIC são desenhados especificamente para mineração e podem oferecer poupanças significativas em termos de energia.

Assinatura digital

Um código digital gerado pela encriptação de uma chave pública – e que é anexado a um documento transmitido eletronicamente para que sejam verificados os seus conteúdos e a identidade do remetente.

Ataque 51%

Verifica-se 51% Attack quando mais de metade da potência de computação de uma rede de criptografia é controlada por uma só entidade ou grupo, com esta entidade ou grupo a ser capaz de emitir transações conflituantes para prejudicar a rede, caso tenha a intenção maliciosa de o fazer.

Bitcoin

A Bitcoin foi a primeira criptomoeda de código aberto, descentralizada, a ser executada numa rede peer-to-peer global, sem necessidade de intermediários ou de emissor centralizado.

Block Explorer

A Block Explorer é uma ferramenta online para consulta de todas as transações realizadas, passadas e correntes, na blockchain. Fornece informação útil, como a taxa de hash da rede e alterações ao nível do número de transações.

Block Height

Block Height refere-se à dimensão dos blocos conectados numa blockchain.

Block Reward

Block Reward é um incentivo para os mineiros que foram capazes de calcular com sucesso o hash de um bloco durante a mineração. A verificação de transações na blockchain gera novas moedas no processo e o mineiro é recompensando com uma porção das mesmas.

Blockchain

Uma blockchain (cadeia de blocos) é um livro-razão partilhado onde ficam registadas transações, de forma permanente, pela anexação de blocos. A blockchain serve como histórico de todas as transações alguma vez realizadas, desde o bloco de génese ao último bloco – daí o nome cadeia de blocos.

Bloco de génese

O primeiro – ou os primeiros – bloco(s) de uma blockchain.

Bloco de transação

Um bloco de transação (transaction block) é uma coleção de transações reunidas num bloco que pode ser verificado e adicionado a uma blockchain.

Bloco

Os blocos são pacotes de dados que contêm informação sobre transações – informação essa que fica permanentemente gravada na rede de blockchain (cadeia de blocos).

Carteira

Uma carteira (wallet) é um ficheiro que contém chaves privadas. A mesma permite a visualização e criação de transações numa blockchain específica – para a qual foi desenhada.

Central ledger

Central ledger é o livro-razão central mantido por uma agência central.

Chave privada

Uma chave privada é um conjunto de dados que permite acesso a tokens numa carteira específica. Funciona como palavra-passe, mantida escondida de todos exceto do detentor do endereço.

Confirmação

Quando uma transação é levada a cabo com êxito e é acrescentada à blockchain.

Consenso

Alcançado quando todos os participantes da rede concordam quanto à validade das transações, garantido que os seus livros-razão são cópias exatas entre si.

Contratos inteligentes

Os contratos inteligentes codificam regras de negócios em linguagem programável na blockchain e são aplicados pelos participantes da rede.

Criptomoedas

Também conhecidas como tokens, as criptomoedas são representações de ativos digitais.

DAO

As Decentralised Autonomous Organisations (DAO) ou Organizações Autónomas Descentralizadas são empresas geridas sem qualquer intervenção humana – sendo o controlo assegurado por um conjunto incorruptível de regras.

Dapp

Uma aplicação descentralizada (dapp, decentralised application) é uma aplicação de código aberto que opera autonomamente e tem os seus dados armazenados numa blockchain.

Despesa dupla

Ocorre despesa dupla quando uma quantia de dinheiro é gasta mais do que uma vez.

Dificuldade

Este termo refere-se à facilidade com que um bloco de dados de informação, de uma transação, pode ser minado com sucesso.

Distributed ledger

Um distributed ledger é um livro-razão em que os dados são armazenados numa rede de nós descentralizados. Um livro-razão descentralizado não tem de ter a sua própria moeda e pode ser privado, exigindo autorização para acesso.

Endereço público

Um endereço público é o hash criptográfico de uma chave pública. Funciona como um endereço de e-mail, que pode ser publicado em qualquer lugar (ao contrário do verificado com chaves privadas).

Endereço

Os endereços de criptomoedas são utilizados para enviar ou receber transações na rede. Um endereço apresenta-se, geralmente, como uma sequência de caracteres alfanuméricos.

Ethereum

A Ethereum é uma plataforma descentralizada, baseada em blockchain, para aplicações que executam contratos inteligentes. Destina-se a resolver questões relacionadas com censura, fraude e interferência de terceiros.

EVM

A Ethereum Virtual Machine (EVM) é uma máquina virtual completa que permite a execução de código de complexidade algorítmica arbitrária. Cada nó de Ethereum é executado com EVM para manter consenso em toda a blockchain.

Fork

Os forks criam uma versão alternativa da blockchain, deixando que duas blockchains sejam executadas em simultâneo em diferentes partes da rede.

Função de hash criptográfica

Os hashes criptográficos produzem um valor de hash único, de dimensão fixa, a partir do input de transações de dimensão variável. O algoritmo computacional SHA-256 é um exemplo de um hash criptográfico.

Hard Fork

Um tipo de fork que torna válidas transações anteriormente inválidas e vice-versa. Este tipo de fork exige que todos os nós e utilizadores recorram à mais recente versão do software de protocolo.

Hash

O ato de executar uma função de hash em dados de output. Utilizado para confirmar transações de moedas.

Mineração

A mineração é o ato de validar transações na blockchain. A necessidade de validação funciona como incentivo para os mineiros, geralmente sob a forma de moedas. No boom de criptomoedas que se vive hoje, a mineração pode ser um negócio lucrativo quando realizada corretamente. Se escolher hardware eficiente e definir objetivos de mineração adequados, a mineração poderá converter-se numa estável forma de rendimento passivo.

Multi-Assinatura

Os endereços com multi-assinatura fornecem maior segurança ao exigirem mais do que uma chave para autorizar uma transação.

Uma cópia do livro-razão operada por um participante da rede de blockchain.

Oráculos

Os oráculos (oracles) funcionam como uma ponte entre o mundo real e a blockchain ao fornecerem dados para os contratos inteligentes.

Peer to Peer

Peer to Peer (P2P) são interações descentralizadas entre duas partes ou mais numa rede altamente interconectada. Os participantes de uma rede P2P lidam uns com os outros diretamente através de um único ponto de mediação.

PoS/PoW híbrido

Um PoS/PoW híbrido permite a utilização de Proof of Stake (PoS) e de Proof of Work (PoW) como algoritmos de consenso distribuído na rede. Com este método poderá ser alcançado equilíbrio entre mineiros e detentores (titulares) de moedas, criando-se um sistema de gestão que toma em consideração os interesses dos insiders (titulares) e dos outsiders (mineiros).

Prova de Participação

A Prova de Participação (Proof of Stake, PoS) é um algoritmo de consenso distribuído que recompensa com base no número de moedas detidas. Quanto mais investir numa moeda, mais ganha ao minerar com esse protocolo.

Prova de Trabalho

A Prova de Trabalho (Proof of Work, PoW) é um algoritmo de consenso distribuído que exige um papel ativo na mineração de blocos de dados, geralmente consumindo recursos, como eletricidade. Quanto mais “trabalho” fizer ou quanto maior for a potência de processamento que fornecer, mais moedas receberá como recompensa.

Rede distribuída

Tipo de rede em que a potência de processamento e os dados são distribuídos pelos nós em vez de deterem um centro de dados centralizado.

Scrypt

Um tipo de algoritmo criptográfico utilizado pela Litecoin. Em comparação com o SHA-256 é mais rápido pois não necessita de tanto tempo de processamento.

SHA-256

O SHA-256 é um algoritmo criptográfico utilizado por criptomoedas como a Bitcoin. Recorre a grande quantidade de potência de computação e de tempo de processamento, forçando os mineiros a formar grupos de mineração para obtenção de ganhos.

Soft Fork

Um soft fork difere de um hard fork na medida em que só são tornadas válidas transações que já eram consideradas válidas. Uma vez que antigos nós reconhecem os novos blocos como válidos, um soft fork é essencialmente compatível com versões anteriores. Este tipo de fork requer que a maioria dos mineiros se atualize, enquanto um hard fork exige que todos os nós concordem com a nova versão.

Solidity

Linguagem de programação da Ethereum para o desenvolvimento de contratos inteligentes.

Taxa de Hash

A taxa de hash, hash rate, mede o desempenho de uma plataforma de mineração. O rendimento é expresso em hashes por segundo.

Taxa de transação

Todas as transações de criptomoedas envolvem uma pequena taxa de transação. Estas taxas de transação são reunidas e contabilizadas para a recompensa que um mineiro recebe quando processa com sucesso um bloco.

Testnet

Blockchain de teste utilizada por programadores para evitar que os ativos se gastem na cadeia principal.

Turing Completo

A expressão Turing Completo refere-se à capacidade de uma máquina para realizar cálculos. Um exemplo: EVM, Ethereum Virtual Machine.

Leia também:

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça um "gosto" a esta página para que possamos continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente